Crítica: “Ginger & Rosa”

ginger-and-rosa_01

A Londres dos anos 1960 composta pelo contraste de ativistas efervescentes pelo auge da Crise dos Mísseis de Cuba e pessoas que insistiam em viver a vida familiar cegas pelos costumes domésticos é o cenário do novo filme de Sally Potter. A diretora e autora, que tem em seu currículo Porque os Homens Choram e Orlando – Mulher imortal, é conhecida por suas obras cruas de visão particular, que, apesar disso, costumam passar despercebidamente pelo grande público.

Ginger-Rosa-2012-Stills-alice-englert-32604122-2048-1363Ginger e Rosa nasceram no mesmo dia, no mesmo hospital, exatamente uma ao lado da outra, e assim permaneceram até sua adolescência. Amigas inseparáveis, elas experimentam os primeiros passos da vida adulta juntas, sem medo de deixar sua infância para trás. A ameaça iminente da bomba atômica preocupa constantemente a promissora poetisa Ginger, enquanto Rosa procura nas ruas o amor que não recebeu em casa e acredita ter outros problemas mais importantes para enfrentar. Seus diferentes ideais começam a separar as duas amigas e põe a prova um amor nutrido por tantos anos.

Apesar do título e o foco no relacionamento entre as duas amigas, é Ginger quem conduz a história. O espectador é direcionado pela visão da personagem e a acompanha em seus conflitos pessoais enquanto ela tenta enfrentar os problemas políticos e sociais à sua volta. Ginger teme pela destruição do planeta e da humanidade, mas se depara com a destruição inesperada de sua própria família e é obrigada a enxergar as pessoas ao seu redor como elas realmente são. Neste turbilhão de emoções, ela conta com seus padrinhos Mark e Mark II e a amiga Bella, interpretados pelos fantásticos Timothy Spall, Oliver Platt e Annette Bening, como aliados nessa jornada de descobrimento de si mesma e do mundo.

GINGER_AND_ROSA_Akt4_grd06.363913A protagonista é interpretada por Elle Fanning, talento mais do que promissor, destaque entre os jovens atores de sua geração. Enquanto todos estavam de olho em sua irmã Dakota, Elle começava a trilhar seu caminho, iniciando carreira nos filmes Babel e O Curioso Caso de Benjamin Button. Menina prodígio, ela busca participar dos mais diferentes filmes e mostra talento de sobra em todos eles, sem demonstrar afetação ou desejo de crescer mais rapidamente, característica difícil de se encontrar em Hollywood. Elle Fanning é especial por levar sempre uma visão mais profunda e original a seus personagens, impressionando com uma delicadeza certeira, como fez em Um Lugar Qualquer (o último de Sofia Coppola) e como faz novamente como Ginger.

Suas interpretações são destaque no filme, contando também com o maravilhoso trabalho de Alice Englert (Dezesseis Luas) como Rosa, Christina Hendricks como Natalie e Alessandro Nivola como Roland, os pais de Ginger. Já a direção de arte é composta por uma fotografia seca, típica de filmes passados naquela época, relembrando O Garoto de Liverpool, Educação e até Não Me Abandone Jamais, e por um figurino que se fecha em tons escuros, que se contrapõe com os cabelos de cor vibrante de Ginger.

Ginger & Rosa é sobre amizade e relacionamentos dentro e fora do ambiente familiar, sobre crescer e se encontrar, sobre conhecer e enfrentar as realidades do mundo, seja esta a bomba atômica ou a decepção com quem se ama. Embarcamos com Ginger em uma viagem em que percebemos que os conflitos mundiais podem ter a mesma proporção que os internos, e não há forma fácil de lidar com nenhum deles.

Trailer:

Confira aqui o álbum de fotos completo do filme.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: