Pelo Mundo: Índia

Elaine Marçal tem 21 anos, é formada em Relações Internacionais e em Análise de Recursos Humanos na Tata Consultancy Services. Atualmente faz trabalho voluntário na AIESEC Nigéria e é uma assídua aprendiz (com tentativas não muito felizes) de yoga e hindi nas horas vagas. Viajar é o novo item de sua to-do list, desejo que ela já começou a realizar:

 

Elaine - Índia 1Para Onde? Incredible India!

Rota?

Cheguei em Calcutá em dezembro do ano passado, período de alta temporada e passagens caras, logo, tive que buscar o máximo de possibilidades até encontrar uma que coubesse no meu orçamento.

Apesar disso não foi muito difícil, há diversas rotas para se chegar à Índia. Os brasileiros em sua maioria preferem a Europa como escala, assim podem turistar por alguns dias pelo velho continente e ter seu último contato com os ares ocidentais. Cheguei a encontrar opções de escalas pelo continente Africano com preços comparativamente similares aos pela Europa. Se o preço não fosse tão relevante na hora da compra certamente teria escolhido essa opção.

No fim das contas consegui uma excelente promoção e fiz escala no oriente médio, pelos Emirados Árabes Unidos. Fazia um calor tão forte quanto no Rio de Janeiro e não conseguia tirar os olhos das mulheres vestidas com suas burcas negras, deixando apenas seus olhos à mostra. Um dia apenas em Dubai já foi o suficiente para começar a sentir as diferenças culturais antes mesmo de chegar ao meu destino final.

 

Elaine - India 10Se prepare:

Quanto à parte burocrática, a emissão de visto é prática e dura em média duas semanas. Caso não haja um consulado indiano em sua cidade, é só enviar os documentos necessários juntamente com o seu passaporte por correio. A vacina contra febre amarela é obrigatória e pode ser encontrada gratuitamente em postos de saúde. Não esqueça de pedir o certificado internacional de vacinação. Cartões de débito no estilo travel money são válidos em qualquer ATM, que são simples de se encontrar. O conceito de higiene e os próprios médicos indianos são bem diferentes do que estamos acostumados. Independente da duração da viagem, é muito importante verificar com detalhes o seguro saúde.

Sobre a bagagem, não deixe de fazer o clássico checklist. Alguns detalhes podem passar despercebidos, como adaptadores e voltagem de aparelhos eletrônicos. Diferente do Brasil, aqui ela é de 220 volts – Eu descobri depois que meu ipod e secador de cabelos simplesmente queimaram ao ligar na tomada no segundo dia de Índia. Os pernilongos são encontrados na mesma frequência que as vacas nas ruas. Algumas regiões possuem surtos de malária, não esqueça de trazer seu repelente. Para as mulheres, roupas muito decotadas (bem como shorts e vestidos curtos) não são recomendáveis para o uso diário por questões culturais e de segurança, inclusive. Traga calçados confortáveis e resistentes, algumas regiões podem não ter pavimentação e suas belas sapatilhas vão se desfazer em algumas semanas.

A primeira palavra que vem à cabeça ao falar de Índia é diversidade; é possível encontrar as festas mais refinadas até retiros espirituais. Assim, é importante escolher as cidades a serem visitadas após pesquisar bastante sobre os costumes das principais regiões. Criar suas metas e expectativas é a parte mais interessante da preparação para a viagem, mas tente não se apegar a conceitos pré-definidos. Estar aberto e compreensível a novas formas de agir e ver o mundo é essencial para se aproveitar o melhor de cada experiência.

 

Elaine - India 7Ponto turístico imperdível?

Assim como o Cristo Redentor esta para o Brasil e a Torre Eiffel está para a França, o Taj Mahal é o monumento que simboliza a Índia e visitar Agra é um must-do para qualquer turista. Para aqueles que têm mais tempo é possível deixar essa viagem mais completa fazendo o Golden Triangle, que inclui as cidades de Delhi e Jaipur com duração de cerca de uma semana. Minhas passagens de trem já estão compradas e começo esse circuito turístico na semana que vem. (;

 

Achado?

Fugindo um pouco das viagens tradicionais pelas capitais e pontos turísticos cheios de câmeras e pedintes, acredito que o mais intrigante ao explorar a Índia, além da cultura, é observar a forma como a espiritualidade faz parte do cotidiano das pessoas. Assim que cheguei em Calcutá fiquei sabendo de uma pequena cidade chamada Darjeeling, localizada um pouco mais ao norte do estado de West  Bengal, entre Bangladesh, Butão e Nepal. Com monastérios, montanhismo e chás de infinitos sabores, é definitivamente um lugar para se conhecer e apreciar a vista privilegiada aos pés da cordilheira do Himalaia.

 

Vale a pena conferir!

Um festival que é a cara da Índia começa a ter suas versões ao redor do mundo (de tão sensacional que é) como a Color Run, é o Holi, festival das cores.

Tudo aqui é muito colorido e ornamentado, desde a arquitetura das casas até as caçambas de caminhões, mas nas ruas há um contraste em relação à postura das pessoas, normalmente sóbrias e pouco brincalhonas, talvez por conta do estresse causado pelo trânsito caótico. Durante o Holi a mágica acontece: Os semblantes fechados desaparecem e as ruas são tomadas por pessoas de todas as idades que querem simplesmente se divertir, jogando tintas coloridas umas nas outras. É um momento único, que acontece no fim deste mês. Ainda dá tempo de vir aproveitar!

 

Elaine - India 5Momento inesquecível?

O tão comentado choque cultural de fato aconteceu: A intensidade de todos os eventos fez com que minha cabeça desse um nó e muitos conceitos caíram por terra. Logo nas primeiras semanas outros intercambistas e eu fomos visitar a cidade de Baripada, no Estado de Orissa, onde disseram ter elefantes e tigres de bengala, para a nossa alegria. Depois de cerca de 8 horas de ônibus e algumas horas de jipe chegamos ate a reserva… E não pudemos entrar porque precisávamos de uma licensa, que não seria possível tirar no dia; a opção foi ir até uma cachoeira num local mais distante.

Minha animação já havia praticamente se esgotado até que chegamos até o local… E ele era fantástico! Havia um templo logo acima da cachoeira e uma vista sensacional. Como não sei nadar, fiquei tomando conta das mochilas e pude meditar bastante sobre meus primeiros passos e rever meus valores, desfazendo um pouco o nó na minha cabeça. Por vezes as melhores surpresas podem vir de onde menos se espera!

 

Depoimento:

Sempre notei uma característica em comum a em todas as pessoas que visitaram a Índia, um propósito diferente de uma simples viagem. Há nelas uma vontade de mostrar por ações claras o quão grande é sua vontade de conhecer o novo, o inesperado e o melhor para si mesmas e para os outros que inspira outros a fazerem o mesmo. Quando tive a oportunidade de aliar meu intercâmbio profissional com esse ambiente não pensei duas vezes em aceitar e ter a oportunidade de passar pela melhor experiência da minha vida. Tudo tem sido excelente e muito além das minhas expectativas. Desde que cheguei em Calcutá meu modo de ver o mundo mudou de maneira que nunca achei que fosse possível em tão pouco tempo. Meus objetivos pessoais e profissionais, bem como meu papel como agente de mudança em qualquer contexto se tornaram mais claros e eu posso dizer que me tornei uma pessoa melhor e mais ciente das minhas habilidades e limitações. E foram apenas três meses de um ano que tem tudo para ser perfeito.

 

Álbum de viagem:

 Elaine - India 4

 Elaine - India 2

Elaine - India 6
Elaine - India 9Elaine - India 8

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s