Especial “Os Miseráveis”: Crítica do filme

background

Escrita por Victor Hugo em 1862, a trama de Os Miseráveis se passa na França pós Revolução Francesa, quando apesar de terem conseguido tirar o Rei Luís XVI do trono, a maior parte de sua população não tinha emprego e vivia nas ruas ou em barracos. Baseado nesse cenário de pobreza e rigidez dos poderosos que tinham colocado outro Rei no comando do país, Victor Hugo criou seus personagens e seu livro virou um clássico da literatura francesa.

LesMiserables-1024x649O protagonista Jean Valjean é um homem comum preso por roubar um pedaço de pão e que fica encarcerado por 19 anos devido às suas tentativas de fuga. Em sua condicional, ele some e é perseguido pelo inspetor Javert, quem vive exclusivamente para exigir o seguimento das leis. Nos anos seguintes, Valjean é transformado por algumas pessoas colocadas em seu caminho como o Bispo Digne, uma mulher chamada Fantine e sua filha Cosette, quem cria como sua. A história se segue até a juventude de Cosette, quando esta se apaixona por Marius, um estudante que junto com seus amigos e colegas luta pelos direitos do povo e leva a trama ao seu clímax em uma guerra civil contra os soldados da monarquia.

Em 1980 esta história foi encenada pela primeira vez no teatro, em uma versão musical escrita pelos compositores Claude-Michel Schonberg e Alain Boublil, que tiveram a ideia de adaptar a obra após assistirem à peça inglesa Oliver!. Pode-se dizer que o talento da dupla foi o responsável pela magnitude que a história ganhou desde então. Com o público francês encantado pela história, logo a peça foi levada para Londres nos palcos do Queens Theatre em West End, já dirigida por Cameron Mackintosh. Mais de vinte anos depois, o musical já esteve em cartaz tanto na Broadway quanto em todos os cantos do mundo e encantou milhões de pessoas.

5670_TP_00016RAgora, Os Miseráveis finalmente chega aos cinemas. A espera, porém, foi compensada por um elenco estelar e um diretor com um senso artístico apurado, além de uma estatueta do Oscar em sua estante. Nos palcos Jean Valjean, Javert, Fantine, Cosette, Marius e Éponine foram interpretados por lendas do teatro musical como Colm Wilkinson, Patti Lupone, Michael Ball e Lea Salonga. Nos cinemas, portanto, estes personagens não poderiam ficar nas mãos de qualquer um e o comandante Tom Hopper sabia disso, então tratou de audicionar todos os interessados, não importava quem fosse.

Depois de um longo processo, Hugh Jackman foi escolhido como Jean Valjean e pôde mostrar pela primeira vez nos cinemas que sua carreira começou muito antes de Wolverine, e no teatro musical. Russell Crowe é Javert e dá um tempero mais rock’n’roll ao personagem, enquanto Anne Hathaway reprisa o papel já feito por sua mãe como Fantine. Amanda Seyfried revelou todo seu talento vocal em Mamma Mia! e agora faz Cosette, formando o casal da história ao lado de Eddie Redmayne, que surpreende como Marius. Já Éponine é interpretada por Samantha Barks, a jovem de apenas 22 anos que faz esse papel há dois anos em West End.

5670_D047_00405RV2

Já nos primeiros segundos do filme, Tom Hopper mostra que gosta mesmo de um visual dramático e impactante. A câmera saindo de dentro da água, passando por uma bandeira da França boiando até chegar ao cais com Valjean puxando um navio e ainda ao som das primeiras notas de “Look Down”, inegavelmente deixa uma ótima impressão. Nesta primeira cena também já fica claro o antagonismo e a rivalidade entre Jean Valjean e Javert, o que dá o tom para o resto do filme.

Les-Miserables-57Entre as cenas mais impactantes estão também o encerramento de “Valjean’s Soliloquy”, que marca o grande ponto de virada do protagonista e a sequencia de “One Day More”, cantada por todo elenco e encerramento do primeiro ato no teatro. A primeira canção do segundo ato, “Do You Hear the People Sing”, segue a anterior no filme e reanima os espectadores para a batalha que está por vir.

Além de seu olho clínico combinado com uma bela fotografia, Tom Hopper resolveu inovar ao colocar seu elenco para cantar ao vivo. Até então os filmes musicais sempre gravavam as canções previamente em um estúdio e os atores precisavam apenas dublar quando estivessem gravando a cena. Por se tratar de um filme em que se canta o tempo inteiro, para Hopper isto não iria funcionar. Em prol de uma interpretação mais realística e emocional, o diretor providenciou um pianista que tocasse as músicas nos bastidores junto com a gravação. Os atores, então, ouviam a melodia através de um pino no ouvido e cantavam as músicas quantas vezes fosse preciso, ou melhor, quantos taques fossem necessários.

Les-Miserables-Still-les-miserables-2012-movie-32902250-1280-853De fato, a performance dos atores foi bastante aprimorada e a mudança não passa despercebida pelos espectadores, que são tocados em um nível ainda maior por conta dessa técnica. Sua escolha, porém, foi polêmica. Além de ter sido o primeiro a fazer isso e, portanto, já causar frisson só pela novidade, os fãs da peça podem estranhar ao se depararem com músicas que já conhecem há tanto tempo com um ritmo mudado ou notas diferentes.

Uma escolha realmente duvidosa feita por Tom Hopper foi o uso em excesso de planos holandeses (aquele em que o objeto de cena ao invés de ficar centralizado fica à um canto da tela), assim como a persistência do diretor na utilização de close-ups, por vezes inapropriadamente. Nos dois casos a sensação que fica é a de perda de conteúdo e principalmente, resulta em um desvio de atenção do espectador. É o que acontece na cena de “I Dreamed a Dream”, filmada inteiramente em um quadro tão próximo à atriz que a câmera chega a não conseguir acompanhar seus mais leves movimentos.

Claro que nenhum desses fatores é capaz de estragar o filme belíssimamente construído e muito menos a performance desse elenco tão apaixonante. Os atores, protagonistas e coro, são os maiores responsáveis por levar o espectador em uma jornada de dor e sofrimento através de uma trilha sonora clássica e emocionante. O filme faz uma bela homenagem à obra e à peça e explica para o grande público o porquê de todo o sucesso do musical Os Miseráveis até os dias de hoje.

Trailer:

Anúncios

5 Comentários

  1. […] sonhadora O Lado Bom da Vida A Hora Mais Escura Lincoln Os Miseráveis As Aventuras de Pi Amor Django Livre […]

  2. […] nossa conversa ele conta um pouco da experiência de trabalhar na produção, o que achou da adaptação cinematográfica dirigida por Tom Hopper e seus outros […]

  3. […] Sonhadora O Lado Bom da Vida A Hora Mais Escura Lincoln Os Miseráveis As Aventuras de Pi Amor Django Livre […]

  4. […] Sonhadora O Lado Bom da Vida A Hora Mais Escura Lincoln Os Miseráveis As Aventuras de Pi Amor Django Livre […]

  5. […] nossa conversa ele conta um pouco da experiência de trabalhar na produção, o que achou da adaptação cinematográfica dirigida por Tom Hopper e seus outros […]

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: