Especial “Os Miseráveis”: Dos palcos às telas do cinema Parte 2

Bem-vindos ao segundo dia do nosso Especial “Os Miseráveis”! Hoje continuamos contando sobre as produções e versões mais conhecidas do musical:

Tenth Anniversay Concert (TAC)

Colm Wilkinson como Jean Valjean

Colm Wilkinson como Jean Valjean

O Tenth Anniversary Concert foi realizado no Royal Abert Hall em outubro de 1995 para comemorar os 10 anos da estreia da peça. Neste, além do elenco que era extremamente especial, foram convidados Valjeans de todas as produções mundiais feitas até então para cantar junto a Colm Wilkinson a canção “Do you Hear the People Sing”. Todos os membros do elenco de Londres também foram convidados para participar do coro e a orquestra que os acompanhou era ainda maior do que a do CSR.

A reunião do TAC resultou em um álbum que, para mim, é o mais especial de Les Miserables. Primeiro porque foi como eu fui apresentada a obra completa e segundo pelo dream cast. O “dream cast” realmente era um elenco dos sonhos para a peça, e é uma pena não terem os colocado em cartaz por mais de uma noite.

No elenco estavam: Colm Wilkinson (Valjean), Philip Quast (Javert), Ruthie Henshall (Fantine), Lea Salonga (Eponine), Michael Ball (Marius), Judy Kuhn (Cosette), Michael Maguire (Enjorlas), Anthony Crivello (Grantaire), Alun Armstrong e Jenny Galloway (casal Thénardier).

A versão concert foi bastante reduzida, contando somente com os figurinos e nenhum cenário. Praticamente sem diálogos, algumas cenas curtas foram cortadas, como a “The robbery”, uma parte de “Look Down” e até a morte do Gavroche (não preciso nem comentar o meu choque quando descobrir, ao ver pela primeira vez a peça completa, que o menininho tinha uma cena de morte solo).

Revival de 2006

O revival nada mais foi que uma versão mais barata da original. Os produtores perceberam que o tour fazia bastante sucesso quando passada perto de NY e resolveram propor uma releitura da peça, com os mesmos cenários e figurinos, porém com uma orquestra significantemente reduzida.

Como a peça começou como um limited engagement, os contratos iniciais foram curtos, e por consequência, foram inúmeras as trocas de elenco. Tudo isso permitiu que fossem feitas várias releituras do musical, incluindo uma mistura de cantores modernos com clássicos, até conseguir voltar ao formato original. Apesar disso, o Revival ficou em cartaz por um tempo considerável, de novembro 2006 a janeiro de 2008.

A bagunça, porém, trouxe algumas vantagens. Além do maldito vestido preto de Cosette que pôde ser trocado por um leve vestido branco até que Ali Ewoldt fosse substituída por Lea Horowitz, o público conseguiu rever atores que fizeram história dentro da produção, entre eles Ivan Rutherford e Lea Salonga, e a maravilhosa performance de Michael Minarik como Grantaire, roubando a cena de todo o elenco.

25th Anniversary Concert – 2010

Alfie Boe, Colm Wilkinson, Ramin Karimloo e Nick Jonas

Alfie Boe, Colm Wilkinson, Ramin Karimloo e Nick Jonas

No mesmo clima do TAC, o 25th Anniversary Concert juntou um elenco único para celebrar os 25 anos da estreia. A gravação usada já tem algo de mais moderno, musicalmente falando. Fora os atores das versões originais, a maior parte do elenco escolheu por fazer diferente do que já tinha sido feito.

Do Dream Cast citado acima vieram Lea Salonga, que reprisou seu papel de Fantine feito recentemente na Broadway, e Jenny Galloway como Mde Thénardier. Norm Lewis também veio direto do Revival da Broadway para interpretar Javert. Já o ator Ramin Karimloo, o Phantom of the Opera dos 25 anos, foi Enjorlas e, pela primeira vez, Samantha Barks mostrou para o mundo a sua maravilhosa Eponine.

However, o que tornou tudo mais comercial foi a presença (talvez não muito adequada) de Nick Jonas como Marius. A escolha não agradou muito aos fãs da peça e aos críticos, mas as adolescentes gostaram, e acho que era exatamente isso que os produtores tinham em mente ao contratar o rapaz.

Tour 2010 e possível Revival de 2014

Em 2010, o mesmo tour que estava rondando a Inglaterra foi produzido também nos EUA. Com muitas mudanças de cenário e figurino (sendo algumas boas e outras ruins), a intenção do Tour 25 Anos era fazer um Les Mis ainda mais barato e moderno. Coisas geniais foram mudadas, o que comprova que normalmente a tentativa de gerar modernidade musicalmente em Os Miseráveis, acaba indo por água abaixo.

A primeira dessas grandes alterações foi a eliminação do palco giratório. Presente em todas as produções de Les Mis até então, ele foi substituído pela entrada e saída de cenários típicas de qualquer outra peça. A segunda foi no Prólogo. O primeiro “Look Down” ao invés de ser em uma prisão, se passava em um barco, o que deixou mais parecido com a cena do livro do que no original. Além disso, cortaram “Little People” e ainda mudaram a morte do Gavroche.

Lawrence Clayton era Valjean, novamente tentando uma versão mais moderna. O ator deixou a desejar ao tentar incorporar muitos riffs e improvisações a uma melodia que não permite isso. Da produção original Andrew Varela trouxe a mais clássica e autentica performance como Javert. Betsy Morgan tem uma voz super interessante para a Fantine, lembrando um pouco até da versão da Maestrini. E além deles, Jenny Latimer como Cosette, Justin Scott Brown de Marius, Chasten Harmon como Eponine, Michael Kostroff de Thénardier, Shawna Hamic de Mme Thénardier e Jeremy Hays como Enjorlas.

J. Mark McVey

J. Mark McVey

Neste tour, ocorreram algumas curiosidades. A filha do ator J. Mark McVey (renomado Valjean) interpretou uma das young cosettes, enquanto ele voltou aos palcos em 2011. A partir de abril de 2012, foi a vez de Peter Lockyer, um dos atores mais lembrados quando falamos da produção original da Broadway, começar a interpretar Valjean. Peter fez parte do elenco por seis anos como Marius, incluindo na apresentação de 10 anos na Broadway, sua volta e mudança de papel foi um evento.

Há boatos sobre um revival em 2014 e, com o sucesso do filme, é realmente bem provável que isso aconteça. Alguns sites já publicaram sobre a possibilidade, mas ainda não vi pessoalmente nenhum comentário oficial sobre o assunto. Conhecendo Cameron Mackintosh, penso que ele certamente não perderá a boa publicidade que o filme fará para a sua peça.

Quanto ao formato, os rumores são que a versão a ser colocada na Broadway será semelhante a esta do tour, mas a produção deve adicionar a música nova “Suddenly”, afinal, os fãs do filme vão querer ver a trilha sonora do filme completa sendo cantada ao vivo. É esperar para ver!

Anúncios

3 Comentários

  1. Mais uma vez, ótimo texto, Miriam. Incrível a forma como tu analisou toda a história desse musical incrível e conseguiu passar toda a idéia pra gente em um só texto. Parabéns!

  2. […] quase tão diverso quanto o 25th Concert. Apesar de um Valjean (James Owen Jones) e um Javert (Earl Carpenter) extremamente clássicos e uma […]

  3. […] quase tão diverso quanto o 25th Concert. Apesar de um Valjean (James Owen Jones) e um Javert (Earl Carpenter) extremamente clássicos e uma […]

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: